e-bit na mídia

Vendas pela internet no Natal chegam ao recorde de R$ 1,6 bilhão
30/12/2009 Expresso MT

As vendas do comércio eletrônico brasileiro chegaram ao recorde de R$ 1,6 bilhão no período de Natal, uma alta de 28% em relação ao ano passado, quando o setor faturou R$ 1,25 bilhão. O levantamento foi feito entre 15 de novembro e 24 de dezembro pela empresa de pesquisa e-bit.  
 
 
Para Pedro Guasti, diretor geral da e-bit, a expectativa é que a haja expansão maior nos próximos anos.
 
– Com esse faturamento expressivo, nota-se que o consumidor está mais preparado e programado para comprar via web, além de estar com a confiança retomada para fazer compras. Para os próximos anos, o crescimento deverá ser ainda maior.
 
O estudo aponta que a categoria mais procurada foi a de livros, seguida pela de eletrodomésticos, segmento ainda impulsionado pela redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), e saúde, beleza e medicamentos. Itens de informática e eletrônicos ficaram, respectivamente, na quarta e quinta posições.
 
O maior dia de vendas foi 16 de dezembro, no qual registraram-se 150 mil encomendas, cerca de 50% acima do volume de um dia normal. A pesquisa afirma que a preferência do consumidor têm crescido em relação a produtos de alto valor agregado, como bens de informática e eletrodomésticos, contra a dominância de itens mais baratos até poucos anos atrás, como CDs e DVDs.
 
A e-bit destaca a comparação entre as vendas físicas e online. Enquanto o comércio eletrônico apresentou um crescimento de 28% no período do Natal, o varejo físico cresceu 6,8%, de acordo com dados da Serasa Experian.
 
Dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de outubro mostram que o varejo físico brasileiro cresceu 8,4% em relação ao mesmo mês de 2008, ante expectativa do mercado de expansão de 6,55%.
 
Uma pesquisa do IBGE aponta que o número de brasileiros com acesso à Internet cresceu 75,3% entre 2005 e 2008, passando a 56,4 milhões de usuários.



 

Apoiamos causas contra a divulgação de materiais ilegais, agressivos, caluniosos, abusivos, difamatórios, discriminatórios, ameaçadores, danosos, invasivos da privacidade de terceiros, terroristas, vulgares, obscenos ou ainda condenáveis de qualquer tipo ou natureza que sejam prejudiciais a menores e à preservação do meio ambiente. Compre com segurança: conheça seus Direitos de Consumidor.