e-bit na mídia

Vendas online devem crescer 30% no Natal
1/12/2009 Último Segundo

As vendas online devem ter crescimento superior a 30% nesse Natal. A estimativa é da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) e da empresa e-bit, que preveem que as lojas eletrônicas tenham faturamento de R$ 1,63 bilhão no período natalino de 2009. No ano passado, elas tiveram receita de R$ 1,25 bilhão.

Para o ano de 2009, segundo Gastão Mattos, consultor do Movimento Internet Segura (MIV), as estimativas apontam para um volume de venda de bens de consumo pela internet no Brasil superior a R$ 10 bilhões. O incremento também é 30% superior ao de 2008, e não inclui sites de leilão e passagens aéreas. “Pelo aquecimento deste final de ano, talvez este volume seja superado”, afirma Mattos.

O aumento do número de internautas e o fato de as pessoas estarem percebendo as vantagens de uso da internet para negócios e transações estão entre os motivos que impulsionaram o crescimento do e-commerce, segundo Djalma Andrade, coordenador do MIV. Além disso o índice de confiabilidade dos internautas brasileiros também tem aumentado, de acordo com o MIV.

Segundo Mattos, o comércio online pode ser considerado menos sucetível aos efeitos da crise. "Acaba havendo uma migração de consumo do canal varejo físico para o online”, diz ele. “Com o crescimento no número de usuários, o canal online tem relativa liberdade em relação ao cenário econômico.”

Dicas para consumidor

Fazer as compras preferencialmente no cartão de crédito é uma das sugestões do MIV para o internauta. Isso porque as empresas de cartões fazem checagem quanto à seriedade da loja virtual antes de autorizá-la a aceitar o plástico.

O MIV também sugere que o consumidor pesquise antes de comprar. “Alguns sites fazem a comparação dos preços e indicam as lojas que têm as melhores classificações em confiabilidade”, diz ele. Outras dicas são: fugir de ofertas exageradas, conferir informações das lojas, verificar se há reclamações nos sites PROCON e "Reclame Aqui" e guardar comprovantes de pagamento.



 

Apoiamos causas contra a divulgação de materiais ilegais, agressivos, caluniosos, abusivos, difamatórios, discriminatórios, ameaçadores, danosos, invasivos da privacidade de terceiros, terroristas, vulgares, obscenos ou ainda condenáveis de qualquer tipo ou natureza que sejam prejudiciais a menores e à preservação do meio ambiente. Compre com segurança: conheça seus Direitos de Consumidor.